• Home
  • Turismo
  • História
  • Breve resenha

A partir de meados do século XIX, muitos cesarenses emigraram para o Brasil. Volvidos anos, parte deles regressaram com “tesouros” consideráveis. Algumas dessas riquezas fizeram-se no Pará, tendo por origem uma grande fábrica de confeitaria e padaria: a Palmeira. E os efeitos positivos dessa emigração ainda hoje são observáveis. Efectivamente, tais brasileiros e o seu pecúlio contribuíram para dar aparência renovada à terra de Cesar. A restauração da Igreja Matriz a eles se deveu; nas obras do cemitério, também comparticiparam. Um deles, o Dr. Justino Portal, além de mandar reconstruir a capelinha de Nossa Senhora da Graça também mandou construir a escola primária local, denominada “Escola 5 de Outubro” (actualmente o Centro Cívico Justino Portal), que terá acompanhado, a nível oficial, as primeiras do país; abriram a estrada para Vilarinho, macdamizaram a estrada da Pedra Má à Gândara; e edificaram as tais vivendas apalaçadas, a maioria com jardim e quinta anexa, que, parte delas, ainda podemos ver disseminadas pela vila. Por outro lado, o peso dessa “abastança” que alguns amealharam e trouxeram, também serviu como rampa de lançamento, capitalizando a primitiva indústria de Cesar, que foi progredindo e hoje se apresenta com a dimensão que sabemos

No ano de 1932, com a fundação da Sociedade Eléctrica de Cesar, que instalou a rede abastecedora de energia eléctrica em Cesar e Fajões deu-se um avanço fundamental que impulsionou o progresso desta terra. Conseguiu-se a electricidade para Cesar – quando ainda nenhuma localidade circunvizinha a possuía! Ainda em 1932, além da fundação da Eléctrica, é requerido e consegue-se a instalação do primeiro telefone público; o Futebol Clube Cesarense também conheceu fundação em 1932. Em 1933, houve lugar para a primeira captação de água e construção do chafariz no Largo da Feira.

A primeira Sociedade Columbófila é fundada em 1935;e também no ano de 1935, promove-se a festa do 1.º Centenário da Feira dos 18. Em parte significativa, também a Junta de Freguesia de Cesar, teve papel preponderante na maior parte destes empreendimentos. E se a criação de uma feira mensal, no dia dezoito, nascida no já distante ano de 1835, ainda hoje centro de transacção que se estende por uma ampla zona de acelerado crescimento demográfico, terá estado na origem de uma reconhecida vocação comercial, ali nasceu há já mais de um século, a indústria da latoaria, embrião fecundo de um lote de indústrias, hoje diversificadas nas mais diversas áreas: louça metálica, inox, plástico, moldes, calçado, artigos de campismo, serração de madeiras, mobiliário, alumínios, cobres, componentes para calçado, serralharias, padarias, etc. Abundam estabelecimentos comerciais das mais diversas áreas: abastecimento de combustíveis, stand de automóveis, oficina de reparações de automóveis, cafés pastelarias, talhos, pronto-a-vestir, móveis, produtos alimentares, livrarias, estúdios fotográficos, artigos de desporto. Alguns indicadores podem fornecer elementos decisivos de apreciação da realidade económica de Cesar, nomeadamente os milhares de postos de trabalho e os milhões de euros de facturação anual que as unidades fabris fomentam.

Bookmakers bonuses with gbetting.co.uk click here